Anuncie Aqui

AQUICULTURA NO NORDESTE, UM POTENCIAL AINDA POR EXPLORAR

O potencial da aqüicultura no Brasil supera o que se tem explorado até hoje. Com o declínio da pesca marinha e continental e a divulgação dos benefícios do pescado como alimento saudável, a atividade tem apresentado crescimento extraordinário em todo o mundo nos últimos anos, deixando de lado o seu viés artesanal para ganhar status de oportunidade de negócio.

No Nordeste, conquanto já tenha relativa importância socioeconômica, a aquicultura demanda maior conhecimento e políticas adequadas, conforme documento recente do BNB-Etene (http://d001int05/content/aplicacao/etene/etene/docs/ire_ano4_n11.pdf).

A pesquisa mostra a aquicultura como importante fonte de renda para pequenos produtores no Nordeste e a possibilidade de sua expansão em patamares sustentáveis. A região possui centenas de açudes públicos e particulares onde a atividade pode ser incrementada, além de muitos projetos de irrigação, nos quais é possível utilizar os canais para produção aquícola.

Carcinicultura lidera

Conforme a pesquisadora Maria de Fátima Vidal, do BNB-Etene, responsável pelo trabalho, a carcinicultura é a exploração aquícola de maior destaque no Nordeste, superando em valor a criação de peixes.

Na verdade – explica ela - os dados do Censo Agropecuário de 2006 confirmam que é o segmento mais representativo da produção nacional quando comparado com a produção e comercialização de peixes, tendo Rio Grande do Norte e Ceará como os grandes produtores do país. Com relação à piscicultura, a tilápia é a espécie preponderante na região, seguida do tambaqui.

Outro detalhe do levantamento realizado é que no Nordeste, os produtores são mais especializados: 48,9% dos estabelecimentos que produzem peixe têm a aquicultura como principal atividade contra apenas 17,4% em escala nacional.

De Peixes e Camarões

  • No Brasil, dos estabelecimentos produtores de peixe no Censo de 2006, o grupo aquicultura representou 17,4% (83% do volume e 85% do valor da produção de peixes).
  • O grupo aquicultura representava 56,7% dos estabelecimentos de criação de camarão, respondendo por 97% do volume e 97,3% do valor de produção nacional.
  • A participação nordestina na produção de camarão é bem mais expressiva que na produção e venda de peixes, em comparação ao País.
  • A carcinicultura no Nordeste cresceu muito a partir da década de 1990, com a introdução da espécie exótica L. vannamei.
  • O Nordeste respondeu por 96,6% da produção brasileira de camarões e 97,2% da quantidade vendida, em 2006.
  • O Rio Grande do Norte concentra 35,1% dos estabelecimentos, 53,1% da produção e 49,5% do valor de produção de camarão (2006).
  • Ceará tem 18,8% dos estabelecimentos, 30,6% do volume e 32,3% do valor de produção de camarão, seguindo-se Bahia (13,5% e 7,8% dos estabelecimentos e produção, respectivamente).
  • Em 2006, o Nordeste foi responsável por 26,3% da produção nacional de peixes e 28,8% da quantidade comercializada, sendo Ceará, Maranhão e Bahia os maiores produtores.
  • Ceará possui o maior número de unidades de piscicultura construídas e mantidas pelo DNOCS no Nordeste, além de boa infraestrutura hídrica com grande número de açudes.
  • No Maranhão, que possui potencial para piscicultura em razão da abundância em recursos hídricos, o cultivo predominante é o extensivo utilizando apenas alimento natural.
  • No Nordeste, dos produtores de pescados, 29% criavam tilápia, sendo que a Bahia era o maior produtor desse pescado, e 22,7% tambaquis, cujo maior produtor era o Maranhão.

Voltar

 

ECONOMIA. AMBIENTE DESFAVORÁVEL DO PAÍS PREJUDICA DESEMPENHO DO NORDESTE

Brasília (Agência Prodetec) – A atividade econômica do Nordeste continua a apresentar desempenho negativo, consequência da trajetória desfavorável experimentada pelo...

ECONOMIA DE PERNAMBUCO RECUA COM FALTA DE INVESTIMENTOS E SAFRA RUIM

Brasília (Agência Prodetec) - O PIB de Pernambuco caiu 2,4% no primeiro trimestre de 2016, em relação ao quarto trimestre...

CRÉDITO NO RIO GRANDE DO NORTE APRESENTA MENOR TAXA DE INADIMPLÊNCIA DO NORDESTE

Brasília (Agência Prodetec) De acordo com a pesquisa do Banco Central do Brasil, o índice de inadimplência entre os tomadores...

Estudos e Pesquisas

PESQUISADORES DIVERGEM SOBRE CRESCIMENTO DO PIB DO MARANHÃO

Enquanto técnicos vinculados à Secretaria de Planejamento do Estado estimam crescimento nominal de 4,1% para o PIB maranhense, em 2017, pesquisadores do Banco Itaú Unibanco acreditam que o Produto Interno Bruto estadual sofra redução de 0,2% ao ano, em termos reais, entre 2015 e 2020. Conforme o trabalho do banco paulista, o PIB do Maranhão deve alcançar R$ 100,7 bilhões,...

AGRICULTURA NO NORDESTE. A DECADÊNCIA DA CULTURA DO ARROZ NO MARANHÃO

O estado já foi o segundo maior produtor de arroz do Brasil, mas perdeu posição ao longo dos anos e hoje já não produz o suficiente para garantir o abastecimento interno, embora continue como o segundo maior polo arrozeiro do Nordeste com safra estimada pelo IBGE, em 210 mil toneladas, em 2016. AGÊNCIA PRODETEC ππ [AGOSTO 2016] São Luís – Presente na...

Veja também

NO NORDESTE, EXPORTAÇÃO DE PRODUTOS BÁSICOS PREVALECE SOBRE MANUFATURADOS

Brasília, 10 Ago.2016 (Agência prodetec) – Os dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) mostram a...

DESACELERAÇÃO DA ECONOMIA INFLUI NA QUEDA DA EXPORTAÇÃO DO NORDESTE

Brasília, 10 ago.2016 (Agência Prodetec) ­ O cenário negativo das economias mundial e nacional, com saquecimento nos principais centros mundiais...

EXPORTAÇÃO MARANHENSE DE SOJA APRESENTA QUEDA DE 52%

Brasília, 5 Ago.2016 (Agência Prodetec) ­As exportações de soja do Maranhão decresceram quase 52% entre janeiro e julho deste ano...

A agência Prodetec é uma ferramenta voltada para divulgar artigos, estudos e pesquisas
sobre assuntos relacionados com o Nordeste

Imagine Comunicação Digital

Todos os direitos reservados. Reprodução do material permitida mediante citação da fonte.