Anuncie Aqui

AQUICULTURA NO NORDESTE, UM POTENCIAL AINDA POR EXPLORAR

O potencial da aqüicultura no Brasil supera o que se tem explorado até hoje. Com o declínio da pesca marinha e continental e a divulgação dos benefícios do pescado como alimento saudável, a atividade tem apresentado crescimento extraordinário em todo o mundo nos últimos anos, deixando de lado o seu viés artesanal para ganhar status de oportunidade de negócio.

No Nordeste, conquanto já tenha relativa importância socioeconômica, a aquicultura demanda maior conhecimento e políticas adequadas, conforme documento recente do BNB-Etene (http://d001int05/content/aplicacao/etene/etene/docs/ire_ano4_n11.pdf).

A pesquisa mostra a aquicultura como importante fonte de renda para pequenos produtores no Nordeste e a possibilidade de sua expansão em patamares sustentáveis. A região possui centenas de açudes públicos e particulares onde a atividade pode ser incrementada, além de muitos projetos de irrigação, nos quais é possível utilizar os canais para produção aquícola.

Carcinicultura lidera

Conforme a pesquisadora Maria de Fátima Vidal, do BNB-Etene, responsável pelo trabalho, a carcinicultura é a exploração aquícola de maior destaque no Nordeste, superando em valor a criação de peixes.

Na verdade – explica ela - os dados do Censo Agropecuário de 2006 confirmam que é o segmento mais representativo da produção nacional quando comparado com a produção e comercialização de peixes, tendo Rio Grande do Norte e Ceará como os grandes produtores do país. Com relação à piscicultura, a tilápia é a espécie preponderante na região, seguida do tambaqui.

Outro detalhe do levantamento realizado é que no Nordeste, os produtores são mais especializados: 48,9% dos estabelecimentos que produzem peixe têm a aquicultura como principal atividade contra apenas 17,4% em escala nacional.

De Peixes e Camarões

  • No Brasil, dos estabelecimentos produtores de peixe no Censo de 2006, o grupo aquicultura representou 17,4% (83% do volume e 85% do valor da produção de peixes).
  • O grupo aquicultura representava 56,7% dos estabelecimentos de criação de camarão, respondendo por 97% do volume e 97,3% do valor de produção nacional.
  • A participação nordestina na produção de camarão é bem mais expressiva que na produção e venda de peixes, em comparação ao País.
  • A carcinicultura no Nordeste cresceu muito a partir da década de 1990, com a introdução da espécie exótica L. vannamei.
  • O Nordeste respondeu por 96,6% da produção brasileira de camarões e 97,2% da quantidade vendida, em 2006.
  • O Rio Grande do Norte concentra 35,1% dos estabelecimentos, 53,1% da produção e 49,5% do valor de produção de camarão (2006).
  • Ceará tem 18,8% dos estabelecimentos, 30,6% do volume e 32,3% do valor de produção de camarão, seguindo-se Bahia (13,5% e 7,8% dos estabelecimentos e produção, respectivamente).
  • Em 2006, o Nordeste foi responsável por 26,3% da produção nacional de peixes e 28,8% da quantidade comercializada, sendo Ceará, Maranhão e Bahia os maiores produtores.
  • Ceará possui o maior número de unidades de piscicultura construídas e mantidas pelo DNOCS no Nordeste, além de boa infraestrutura hídrica com grande número de açudes.
  • No Maranhão, que possui potencial para piscicultura em razão da abundância em recursos hídricos, o cultivo predominante é o extensivo utilizando apenas alimento natural.
  • No Nordeste, dos produtores de pescados, 29% criavam tilápia, sendo que a Bahia era o maior produtor desse pescado, e 22,7% tambaquis, cujo maior produtor era o Maranhão.

Voltar

 

FUNDOS SIGILOSOS: MINISTRO RESTRINGE ACESSO A PROCEDIMENTOS DO FINOR E FINAM

Brasília (Agência Prodetec) - Antes de se despedir do cargo, o ministro da Integração Nacional baixou uma portaria tornando reservada...

NORDESTE FINANÇAS. ARRECADAÇÃO FEDERAL SEGUE LADEIRA ABAIXO

Brasília (Agência Prodetec) – A arrecadação federal nos estados do Nordeste somou cerca de R$ 4.157 milhões em março último...

NORDESTE IMÓVEIS. BAIXA DE PREÇOS EM SALVADOR, RECIFE E FORTALEZA

São Paulo (Agência Prodetec) – A última pesquisa FipeZap registra baixa nos preços de apartamentos durante o primeiro trimestre nas...

Estudos e Pesquisas

POTENCIAL DE CONSUMO DO NORDESTE DECRESCE EM 2016

O potencial de consumo nordestino é o segundo maior do país, depois do Sudeste, e deve alcançar R$ 741 bilhões este ano, concentrado principalmente nas cidades do interior, tal como ocorre também no Brasil. Mas houve decréscimo em termos reais na comparação com 2015. É o que revela a última pesquisa realizada pela IPC Marketing Editora, de São Paulo, empresa...

NORDESTE. FIM DA BONANZA MUNDIAL PODE DIFICULTAR A RETOMADA DA ECONOMIA

O fim da bonança internacional a partir de 2011, comandada até então pelo frenesi da economia chinesa, vai implicar menor desenvolvimento econômico do Nordeste. Não tendo realizado mudanças em sua estrutura produtiva durante o ciclo de expansão recente, a região enfrentará dificuldades para retomar uma nova era de expansão. Com essa ausência de mudanças, tanto em âmbito nacional quanto regional,...

Veja também

EXPORTAÇÃO 2016. VENDAS DO NORDESTE CONTINUAM EM QUEDA

Brasília, 15 abr 2016 (Agência Prodetec) - As exportações do Nordeste continuam ladeira abaixo. No primeiro trimestre deste ano decresceram...

PETROBRAS PERDE ESPAÇO NA PAUTA DE EXPORTAÇÃO DO NORDESTE

Brasília, 15 Abr.2016 (Agência Prodetec) – A Bahia Celulose amplia sua participação no total da pauta de exportações do Nordeste,...

FNE 2016 PREVÊ ESTABILIDADE DE RECURSOS E ELEVAÇÃO NOS ENCARGOS FINANCEIROS

Em conjunto com o Ministério da Integração Nacional, o Banco do Nordeste acaba de divulgar a programação do FNE para...

A agência Prodetec é uma ferramenta voltada para divulgar artigos, estudos e pesquisas
sobre assuntos relacionados com o Nordeste

Imagine Comunicação Digital

Todos os direitos reservados. Reprodução do material permitida mediante citação da fonte.