Anuncie Aqui

O PODER DA FLORICULTURA NO NORDESTE 2. NEGÓCIOS JÁ MOVIMENTAM R$ 611 MILHÕES

Os gargalos existentes para fomentar o setor ainda são muitos, mas continuam sendo discutidos e enfrentados pela cadeia produtiva. Os estados da Bahia e Ceará continuam liderando os negócios com floricultura no Nordeste, seguido de Pernambuco.

paisagem borboletanaflor

Parceria perfeita na floricultura.

AGÊNCIA PRODETEC ππ [JULHO 2014]

O setor de floricultura do Nordeste movimentou mais de R$ 600 milhões em 2013, pouco mais de 10% do total de R$ 5,2 bilhões registrado em escala nacional. De acordo com o Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), os dados se referem ao faturamento de atacadistas e varejistas de flores.

Em relação a 2012, o crescimento foi da ordem de 13%, prevendo-se para este ano um desempenho menor, em volta de 8% apenas, em consequência de vários fatores, inclusive a Copa do Mundo, quando as vendas caem bastante.

O estado da Bahia liderou o faturamento do setor no Nordeste, ano passado, totalizando R$ 216,5 milhões, sexto maior do país, atrás de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas, Rio Grande do Sul e Paraná. Em seguida, aparecem Ceará, com R$ 145,3 milhões, e Pernambuco, com 113,8 milhões.

Os demais estados nordestinos apresentaram participação menos expressiva, a saber: Maranhão (R$ 28,7 milhões), Rio Grande do Norte (R$ 26,8 milhões), Piauí (R$ 24,1 milhões), Alagoas (R$ 24 milhões), Paraíba (R$ 19,6 milhões) e Sergipe (R$ 12,4 milhões).

NORDESTE FLORICULTURA.  FATURAMENTO*, PRODUTORES E ÁREA.     

REGIÃO/ESTADO

VALOR FATURAMENTO

NºPRODUTORES

ÁREA (HA)

SUDESTE

2.993.419,00

3.979

8.171

São Paulo

   1.828.287,00

              2.266

         6.720

Rio de Janeiro

       575.949,00

            1.020

            840

Minas Gerais

       513.386,00

              570

            405

Espírito Santo

         75.797,00

123

206

 SUL

893.400,00

2.176

2.241

Rio G. do Sul

       398.373,00

              1.534

            912

Paraná

       294.195,00

                  249

            349

Sta.Catarina

      200.832,00

393

980

NORDESTE

611.464,00

1.113

1.772

Bahia

       216.569,00

                  202

            326

Ceará

       145.308,00

                  189

            312

Pernambuco

       113.855,00

                  233

            188

Maranhão

         28.724,00

                     64

            123

Rio G. do Norte

         26.792,00

                  127

            270

Piauí

         24.166,00

                     64

            158

Alagoas

         24.032,00

                  117

            135

Paraíba

         19.602,00

                     75

            181

Sergipe

         12.416,00

                     42

               79

Demais regiões

          510.740,00

749

1.586

BRASIL

   5.009.023,00

8.017

13.770

Fonte: IBRAFLOR. Elaboração Agência Prodetec. (*) Em R$ mil.

Produtores e gastos per capita

Conforme o Ibraflor, em 2013, o Nordeste contava com 1,1 mil produtores envolvidos com a floricultura distribuídos numa área de 1,7 mil hectares, pouco mais de um décimo da área registrada no país como um todo (13.770 hectares).

A atividade tem muito espaço para crescer no Nordeste, haja vista o nível do consumo per capita com o produto hoje observado nos estados da região.

Comparativamente à média nacional dos estados produtores (R$ 24,12) ou àquela apurada no Distrito Federal (R$ 43,72), o gasto da maioria dos nordestinos com flores está muito aquém do padrão de Brasília ou de São Paulo (R$ 43,63). Somente a Bahia supera a média nacional, com gastos per capita da ordem de R$ 31,46. Mesmo baixo, ainda assim um patamar quase dez vezes superior ao apurado para Sergipe e quatro vezes a média regional de R$ 11,00.

NORDESTE FLORICULTURA. CONSUMO (*) PER CAPITA NOS ESTADOS.

NORDESTE

11,00

Rio Grande do Norte

7,49

Bahia

31,46     

        Piauí         

            6,75

Ceará

16,88       

         Alagoas

 6,72

Pernambuco

       12,75

              Paraíba

5,48

Maranhão

         8,03

                Sergipe

            3,47

Fonte: Ibraflor. Elaboração Agência Prodetec. (*) Em R$ 1,00. 

Empregos gerados

Pelos dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Floricultura, a atividade concentra–se nos segmentos de pequeno e médio porte, gerando 27,8 mil postos de trabalho no Nordeste e cerca de 210 mil em âmbito nacional nas áreas da produção, atacado, varejo e apoio.

Na região, o maior contingente de ocupações na floricultura ocorre nos estados da Bahia, com 8,4 mil empregos, Ceará (6,1 mil) e Pernambuco (6 mil).

Nos estados nordestinos funcionavam cerca de três mil dos 22 mil pontos de venda de varejo existentes no país em 2013.

Gargalos a enfrentar

O retrato nacional do setor feito pelo Ibraflor, em 2013, mostra que o total de produtores evoluiu pouco, considerando que em 2006 o IBGE detectou 7.561 propriedades na atividade.

Por outro lado, a média de pessoas ocupada por estabelecimento elevou-se um pouco, de 7,4 para 7,7, mais do dobro da média registrada na agropecuária brasileira como um todo. De fato, de acordo com o Censo Agrícola de 2006 existem 3,2 pessoas ocupadas por estabelecimento no Brasil.

Esse dado demonstra quão significativa é a floricultura em termos de geração de emprego e renda, sobretudo nas pequenas propriedades que tão bem caracteriza o setor, com um tamanho médio de 2,5 hectares.

Todavia, o segmento continua a enfrentar muitos gargalos. O especialista Renato Opitz aponta alguns dos principais: Baixo uso de técnicas de pós-colheita; falta de padronização para alguns produtos, principalmente na área de paisagismo; baixo uso de técnicas de pós-colheita; falta de capacitação técnica/administrativa/informática dos integrantes da cadeia; transporte e acondicionamento ainda deficitários; falta de padronização para alguns produtos, principalmente na área de paisagismo; acesso do consumidor aos produtos e acesso oficial do produtor às novas espécies.

Outros aspectos prejudiciais ao desenvolvimento da floricultura nacional, segundo Opitz, dizem respeito à falta de continuidade nas ações de marketing, mão de obra especializada, o alto índice de informalidade e a uma legislação fitossanitária, comercial, tributária e produtiva que no seu entendimento "é ultrapassada, ineficiente, onerosa, de interpretação dúbia e com alto grau de risco".

Indicadores do Ibraflor em 2913

√ Cerca de 8 mil produtores

√ Empregos diretos: 8 pessoas por ha.

 

√Espécies produzidas: + de 350.

 

√ Área cultivada: 13.770 ha

√ Mão de obra contratada: 81,3%.

 

√ Nº. de variedades: + de 3000.

 

√ Tamanho médio da propriedade: 2,5 ha.

 

Mão de obra familiar: 18,7%

√Centrais de atacado: + de 60.

√Empresas atacadistas: 650.

√Pontos de venda no varejo: 22.000

√Feiras e exposições: + de 30

√ Faturamento em 2011: R$ 4,3 bilhões

√ Faturamento em 2012: R$ 4,8 bilhões

√ Desde 2006 o setor registra altas de 8% a 15% em volume e de 15% a 17% em valor.

 

 

Voltar

 

A agência Prodetec é uma ferramenta voltada para divulgar artigos, estudos e pesquisas
sobre assuntos relacionados com o Nordeste

Imagine Comunicação Digital

Todos os direitos reservados. Reprodução do material permitida mediante citação da fonte.