Anuncie Aqui

AQUICULTURA. NORDESTE RESPONDE POR 99% DA CRIAÇÃO DE CAMARÃO

A atividade continua concentrada na faixa litorânea dos estados do Ceará e Rio Grande do Norte, embora já apareçam na lista dos maiores produtores brasileiros municípios localizados no interior, caso de Jaguaruana (CE) e Mossoró (RN).

AGÊNCIA PRODETEC ΩΩ [março 2015]

Com grande expressão para a economia das regiões litorâneas do Nordeste, a carcinicultura brasileira conseguiu superar a crise da década passada e expande produção e mão de obra. Mas ainda está longe dos níveis de 2010, por exemplo, quando essa produção alcançou 80 mil toneladas , colocando o Brasil entre os 10 maiores produtores mundiais de camarão em cativeiro.

No Nordeste, responsável então por 95% da safra brasileira, os carcinicultores mudaram o sistema produtivo e focaram o mercado interno como alternativa de sobrevivência. O resultado é que o consumo per capita de camarão no Brasil subiu mais de cinco vezes na década passada.

Após as dificuldades, associadas a fatores sanitários e econômicos, a criação de camarão tomou novos caminhos. O produtor realizou mudanças no sistema produtivo, como, por exemplo, a redução da densidade de animais nos viveiros e práticas sanitárias para diminuir a incidência de doenças.

Produção atual

A última Pesquisa Pecuária Municipal do IBGE, que incluiu o setor de aquicultura, informa que a produção nacional de camarão em cativeiro alcançou 64,6 mil toneladas em 2013, o mesmo patamar registrado em 1999.

A atividade continua concentrada basicamente no Nordeste, com 99,3% do total (64,2 mil toneladas), especialmente nos estados do Ceará e Rio Grande do Norte. Exceto Alagoas, todos os demais estados da região também praticam a carcinicultura.

NORDESTE. CRIAÇÃO DE CAMARÃO. QUANTIDADE E VALOR PRODUÇÃO – 2013 

Estados

Produção (t)           Part. %

Valor de Prod. R$ Mil                  Part.%

Brasil

64. 669              100,0

765.014                             100,0

Ceará

 33.950                     52,5

 395.178                                   51,7

R.Grande do Norte

16.974                      26,2

 223.446                                   29,2

Piauí

  3.701                        5,7

  42.724                                      5,6

Pernambuco

  3.241                        5,0

  40.715                                      5,3

Bahia

  3.008                        4,7

  21.419                                      2,8

Sergipe

  2.481                        3,8

  24.942                                      3,3

Paraiba

    864                               1,3

 00.938                                       1,3

Maranhão

      50                        0,1

 00.552                                       0,1

Nordeste

64.270                 99,3

749.914                               99,3

Fonte: IBGE-PPM 2013. Elaboração Agência Prodetec

Saldo positivo

Do ponto de vista socioeconômico, a atividade tem expressão relevante para a economia das regiões litorâneas do Ceará, Rio Grande do Norte, Piauí e Pernambuco, sendo, às vezes, a maior empregadora nos pequenos municípios. As fazendas de camarão representaram, em muitos casos, a primeira opção de emprego e renda para centenas de nordestinos, especialmente em regiões desprovidas de condições para outras atividades.

Conforme alguns especialistas, o balanço dos benefícios da carcinicultura nesses estados é positivo e infinitamente maior que os efeitos negativos que possa provocar.

Incluída o valor de produção de larvas e pós-larvas (R$ 11,7 milhões), o camarão rendeu mais de R$ 400 milhões aos produtores cearenses em 2013, o equivalente a mais da metade do faturamento registrado no país como um todo.

No Rio Grande do Norte, responsável por mais de um quarto da produção de camarão em cativeiro do Brasil, o valor dela alcançou R$ 223,4 milhões, aos quais se somam outros R$ 61 milhões oriundos do segmento de larva e pós-larva.

Outros dois grandes produtores estaduais de camarão em cativeiro – Piauí e Pernambuco têm papel regional menos expressivo tanto em termos de produção quanto de faturamento. A safra piauiense de 2013, de acordo com o IBGE-PPM, ficou em 3,7 mil toneladas com valor de R$ 42,7 milhões. A de Pernambuco somou R$ 40,7 milhões para 3,2 mil toneladas.

Capital do camarão

A pesquisa do IBGE destaca, ainda, os municípios brasileiros de maior produção de camarão em cativeiro. Aracati, no litoral leste do Ceará, a 160 km de Fortaleza, é considerada a capital da atividade.

O município cearense, famoso pelo carnaval animado e a praia de Canoa Quebrada, conhecida no mundo todo, destaca-se pelo volume de sua produção: 8,1 mil toneladas de camarões em 2013, correspondente a 23,9% do total do estado e 12,6% da safra nacional.

Conforme o IBGE, dos 20 maiores municípios em despesca de camarão, nove são do Ceará (Aracati, Acaraú, Beberibe, Jaguaruana, Camocim, Fortim, Amontada, Paraipaba e Cascavel) e sete do Rio Grande do Norte (Mossoró, Canguaretama, Sen. Georgino Avelino, Nísia Floresta, Tibau do Sul, Arês e Pendências).

CRIAÇÃO DE CAMARÃO NO BRASIL. 20 MUNICÍPIOS COM MAIORES PRODUÇÕES

 

Município                     Produção (t)                Part. Relativa/BR

Aracati  (CE)                              8.126                             12,6            

Acaraú  (CE)                              4.552                               7,0

Beberibe (CE)                            3.955                               6,1

Jaguaruana (CE)                          3.565                              5,5

Mossoró   (RN)                           2.900                               4,5

Camocim  (CE)                            2.737                               4,2

Canguaretama (RN)                    2.621                               4,1

Fortim  (CE)                               2.525                               3,9

Goiana  (PE)                              2.177                              3,4

Cajueiro Praia (PI)                      2.013                               3,1

Sen. Georgino Avelino (RN)            1.700                               2,6

Luís Correia (PI)                          1.688                               2,6

Amontada (CE)                           1.574                               2,4

Valença (BA)                              1.528                               2,4

Nísia Floresta (RN)                       1.500                               2,3

Tibau do Sul (RN)                        1.450                               2,2

Paraipaba (CE)                            1.280                               2,0

Cascavel (CE)                             1.256                               1,9

Arês  (RN)                                    995                               1,5

Pendências (RN)                             943                              1,5  

Fonte: IBGE- PPM 2013.

Voltar

 

A agência Prodetec é uma ferramenta voltada para divulgar artigos, estudos e pesquisas
sobre assuntos relacionados com o Nordeste

Imagine Comunicação Digital

Todos os direitos reservados. Reprodução do material permitida mediante citação da fonte.