Anuncie Aqui

PRINCIPAIS LAVOURAS DO NORDESTE RENDERAM R$ 33,2 BILHÕES EM 2014

O valor bruto de produção da agricultura nordestina cresceu 8,1% em 2014 no comparativo com o ano anterior, mas a participação regional no conjunto do país ficou em apenas 13%. O desempenho pode ser considerado satisfatório à vista da continuidade das irregularidades climáticas em todo o Nordeste, desde 2012.

 Imagem BNB Relatório 2006.
 prodetec-lavouras

A fruticultura responde por boa parte do valor bruto de produção agrícola do Nordeste.

AGÊNCIA PRODETEC ππ [NOVEMBRO 2015]

O valor bruto da produção (VBP) das principais lavouras do Nordeste alcançou R$ 33,2 bilhões em 2014, pouco mais de 13% do total contabilizado pelo país como um todo (R$ 251,2 bi). No ano anterior, o VBP regional alcançou R$ 27,9 bilhões.

Em relação ao ano passado o aumento foi de 8,1% em âmbito nacional e de 19% em termos regionais, desempenho que decididamente seria maior não fora os atropelos provocados por irregularidades climáticas, sobretudo na região Nordeste.

O VBP agrícola do Nordeste é o quarto maior do país entre as grandes regiões após Sul (R$ 71,5 bilhões, 28,5% do total); Sudeste (R$ 69,2 bilhões, 27,5%); Centro-Oeste (R$ 64,2 bilhões, 25,5%); e Norte, R$ 13,0 bilhões (5,2%). Comparativamente ao ano anterior, a região Nordeste apresentou o maior incremento contra 11,7% no Norte, 3,1% no Sudeste, 4,2% no Sul e de 12,4% na região Centro-Oeste.

As informações constam da última pesquisa do IBGE sobre o desempenho da agricultura dos municípios brasileiros (PAM). Ela abrange informação de área plantada, área colhida, quantidade produzida, rendimento médio obtido e valor da produção dos produtos das culturas temporárias e permanentes.

Distribuição estadual

Considerando os nove estados nordestinos, a Bahia se mantém na liderança, com o maior VBP agrícola de 2014. Sua participação no total da região alcançou 48,7%, seguindo-se Maranhão (13,2%), Pernambuco (7,6%), Piauí (7,5%), Ceara (6,9%), Alagoas (6,2%), Paraíba (3,5%), Sergipe (3,4%) e Rio Grande do Norte (3%).

O valor bruto da produção agrícola baiana totalizou R$ 16,2 bilhões contra R$ 4,4 bilhões do Maranhão e R$ 2,5 bilhões de Pernambuco. Em seguida aparecem o Piauí, com R$ 2,4 bilhões; Ceará, com R$ 2,3 bilhões; Alagoas, com R$ 2 bilhões; Paraíba, com R$ 1,2 bilhão; Sergipe, com R$ 1,1 bilhão e Rio Grande do Norte, com R$ 1 bilhão.

Vale salientar que no caso da Bahia, Maranhão e Piauí o VBP procede especialmente das culturas de grãos, sobretudo soja e milho, enquanto em Alagoas e Pernambuco a renda maior tem origem na cana de açúcar.

A tabela abaixo discrimina o panorama da renda agrícola regional em 2014 em termos de área, VBP, variação de valor sobre 2013 e participação do estado na produção nacional.

Brasil
e
Unidades da Federação

Área
plantada
(ha)

Área
colhida
(ha)

Valor
da
produção
(1 000 R$)

Variação do valor da produção em relação ao ano anterior
(%)

Participação no total do valor da produção
(%)

BRASIL
NORDESTE                                                          

 76 246 118
12.532.207

 75 386 465
11 910 987

 251 311 770
33 190 568

8,1
19,0

100,0
100,0

Bahia                            

 4 902 220

 4 579 150

 16 169 198

30,8

6,4

Maranhão                         

 2 006 346

 2 005 739

 4 424 213

24,2

1,8

Ceará                            

 1 505 816

 1 503 104

 2 312 487

15,5

0,9

Piauí                            

 1 540 770

 1 491 554

 2 489 155

64,2

1,0

Pernambuco                       

  881 201

  782 413

 2 533 697

-16,4

1,0

Alagoas                          

  597 962

  570 921

 2 058 145

5,1

0,8

Sergipe                          

  384 523

  359 618

 1 188 253

-3,9

0,5

Paraíba                          

  370 131

  329 940

 1 128 634

-2,6

0,4

Rio Grande do Norte              

  343 238

  288 548

 1 016 787

-4,7

0,4

 

 

 

 

 

 

Fonte: IBGE.

Representatividade das lavouras

A maior participação no VBP do Nordeste corresponde às lavouras temporárias, com R$ 24,8 bilhões ou 75%, ante R$ 8,4 bilhões das lavouras temporárias. Das culturas relacionadas pelo estudo do IBGE, soja e milho foram as mais cultivadas na região com área colhida de 2.580 mil e 2.496 mil hectares, respectivamente.

No caso da produção física, a cana de açúcar continua como a de maior relevância (69.272 mil toneladas), seguida do milho (6.693 mil toneladas) e da soja (6.571 mil toneladas). Destacaram-se, ainda, a mandioca com 5.668 mil toneladas, a banana com 2.454 mil toneladas e a laranja com 1.722 mil toneladas.

Conforme o IBGE, das principais culturas existentes no Nordeste três, apenas, representam quase metade de todo o VBP agrícola regional. No conjunto, soja, cana de açúcar e algodão somaram R$ 15,1 bilhões.

Maiores contribuições

A soja foi a lavoura que mais contribuiu para o montante global do valor bruto de produção do Nordeste, em 2014, totalizando R$ 6.263 milhões, ante R$ 4.398 milhões no ano anterior.

Desse valor, boa parte corresponde à participação do município baiano de Formosa do Rio Preto -- quarto maior produtor nacional do grão, após Sorriso, Campo Novo do Pareci, Nova Mutum e Sapezal, todos do Mato Grosso.

O segundo melhor desempenho foi obtido pela cana de açúcar, com R$ 5.534 milhões, pouco mais de R$ 1,1 bilhão acima da cifra registrada em 2013 (R$ 4.421 milhões). A maior participação regional corresponde ao estado de Alagoas, com 28,7 milhões de toneladas, sexto maior produtor do país. No geral, a cana ficou com o segundo maior valor bruto de produção da agricultura do país (R$ 42,2 bilhões), logo após a soja.

O algodão herbáceo coloca-se como o terceiro maior VBP da agricultura nordestina, com R$ 3.331 milhões, crescimento nominal de 28,2% em relação a 2013 (R$ 2.581 milhões), tendo a Bahia como principal cenário, onde a produção totalizou 1,2 milhão de toneladas ou 27,5% da safra brasileira.

No caso da mandioca, que tem a Bahia e o Maranhão como principais centros produtores da região Nordeste, o VBP da cultura praticamente ficou estável em termos nominais no comparativo 2014/2013.

10 MAIORES VBP DA AGRICULTURA NORDESTINA, POR PRODUTO.

PRODUTO

VBP 2014 – R$ MILHÕES 

VBP 2013 – R$ MILHÕES

VAR. %

Soja (em grão)  

6.263

 4.398

42,4

Cana-de-açúcar

5.534

4.421

25,1

Algodão

3.311

2.581

28,2

Milho (em grão)

2.844

2 200

29,2

Mandioca

1.980

1.972

0,4

Banana

1.809

1.694

6,8

Feijão (em grão)

1.029

1 004

2,4

Café

931

702

32,6

Cacau

873

  773

12,9

Coco

830

669

24,0

Fonte: IBGE. PAM 2014. Elaboração Agência Prodetec.

Os dez principais produtos da agricultura nordestina em valor incluem, ainda, milho (R$ 2.844 milhões), mandioca (R$ 1.990 milhões), banana (R$ 1.809 milhões), feijão (R$ 1.029 milhões), café (R$ 931 milhões), cacau (R$ 873 milhões) e coco da baía (R$ 830 milhões).

Numa patamar um pouco abaixo aparecem também mamão (R$ 776 milhões), tomate (R$ 692 milhões), abacaxi (R$ 669 milhões) e arroz (R$ 606 milhões).

O desempenho da agricultura nordestina pode ser observada na tabela abaixo, bem assim no texto sobre os principais municípios produtores da região (ver AGRICULTURA. MUNICÍPIOS DO NORDESTE BRILHAM ENTRE OS MAIORES PIBs DO PAÍS).

NORDESTE. LAVOURAS TEMPORÁRIAS E PERMANENTES. ÁREA COLHIDA, PARTICIPAÇÃO NO TOTAL, VOLUME PRODUZIDO, VALOR DA PRODUÇÃO E PARTICIPAÇÃO DO VALOR NO TOTAL. EM ORDEM DECRESCENTE DE ÁREA COLHIDA,

 

Lavouras             Área colhida Ha   Part. %  Produção (t)     Valor R$ *    Part.%*

NORDESTE TOTAL

11 910 987

100,0

...

33 190 568

100,0

Lavouras Temporárias

9 647 438

81,0

...

24 787 035

74,8

Lavouras Permanentes

2 263 549

19,0

...

8 403 533

25,2

Soja  (em grão)

2 580 883

21,7

6 571 222

6 263 588

18,8

Milho  (em grão)

2 496 560

21,0

6 693 954

2 844 630

8,5

Feijão  (em grão)

1 541 226

12,9

674 666

1 029 246

3,1

Cana-de-açúcar

 1 192 919

10,0

69 272 542

5 534 130

16,6

Castanha de caju

623 445

5,2

105 789

183 013

0,5

Mandioca

583 474

4,9

5 668 126

1 980 227

5,9

Cacau  (em amêndoa)

547 422

4,6

161 096

873 545

2,6

Arroz  (em casca)

528 293

4,4

847 918

606 358

1,8

Algodão herbáceo  (em caroço)

372 953

3,1

1 288 308

 3 311 389

9,9

Coco-da-baía (1)

205 784

1,7

1 375 672

  830 286

2,5

Banana (2)

191 301

1,6

2 454 308

 1 809 447

5,4

Café  (beneficiado)

169 829

1,4

204 087

  931 308

2,8

Sisal ou agave  (fibra)

156 536

1,3

138 008

  252 695

0,8

Sorgo granífero (em grão)

125 701

1,1

150 061

  54 920

0,2

Laranja

123 524

1,0

1 722 455

  542 827

1,6

Mamona  (baga)

61 005

0,5

35 156

  48 359

0,1

Dendê  (coco)

54 031

0,5

204 961

  50 034

0,2

Manga

49 549

0,4

784 692

  523 368

1,6

Maracujá

43 045

0,4

583 636

  577 407

1,7

Borracha  (látex coagulado) (2)

35 773

0,3

51 402

  118 826

0,4

Melancia

28 137

0,2

619 762

  312 386

0,9

Abacaxi (1)

24 974

0,2

697 292

  669 012

2,0

Fava  (em grão)

20 931

0,2

7 416

  61 936

0,2

Melão

19 271

0,2

559 102

  447 868

1,7

Mamão

19 190

0,2

1 026 676

  766 400

2,3

Batata-doce

15 938

0,1

150 257

  131 139

0,4

Tomate                             

13 578

0,1

566 027

  692 709

2,1

Fumo  (em folha)

13 126

0,1

14 896

  36 712

0,1

Cebola                              

12 449

0,1

381 382

  346 820

1,0

Uva

9 895

0,1

319 084

  612 410

1,8

Amendoim  (em casca)

8 635

0,1

9 617

  13 731

0,0

Goiaba

7 604

0,1

153 710

  153 153

0,5

Batata-inglesa

6 770

0,1

283 703

  361 855

1,1

Guaraná  (semente)

6 719

0,1

2 691

  20 280

0,1

Limão

6 651

0,1

95 170

  66 891

0,2

Palmito

4 468

0,0

27 059

  19 494

0,1

Tangerina

3 606

0,0

34 888

  18 659

0,1

Urucum  (semente)

2 273

0,0

2 306

  5 780

0,0

Pimenta-do-reino

2 039

0,0

4 788

  40 073

0,1

Abacate

811

0,0

6 310

  6 396

0,0

Alho

615

0,0

6 944

  40 060

0,1

Maçã

43

0,0

870

  1 172

0,0

Caqui

8

0,0

32

   29

0,0

Marmelo

3

0,0

15

   41

               0,0

Fonte: IBGE.PAM 2014. (*)Valor em R$ Mil. /

 

Participação % no VBP total.

 

1) Quantidade produzida em 1 000 frutos,

         
                           

Voltar

 

A agência Prodetec é uma ferramenta voltada para divulgar artigos, estudos e pesquisas
sobre assuntos relacionados com o Nordeste

Imagine Comunicação Digital

Todos os direitos reservados. Reprodução do material permitida mediante citação da fonte.