Anuncie Aqui

POTENCIAL DE CONSUMO DO NORDESTE DECRESCE EM 2016

O potencial de consumo nordestino é o segundo maior do país, depois do Sudeste, e deve alcançar R$ 741 bilhões este ano, concentrado principalmente nas cidades do interior, tal como ocorre também no Brasil. Mas houve decréscimo em termos reais na comparação com 2015. É o que revela a última pesquisa realizada pela IPC Marketing Editora, de São Paulo, empresa especializada em informações de mercado.

prodetec-consumo

Consumo no Nordeste: participação estável e queda em termos reais.

AGÊNCIA PRODETEC ∞∞ [ABRIL 2016]

– O potencial de consumo do mercado do Nordeste em 2016 foi estimado em R$ 745 bilhões este ano ante R$ 3.921 bilhões no país como um todo. A previsão para o Sudeste é da ordem de R$ 1.921 bilhões contra R$ 690 bilhões do Sul, R$ 329 bilhões do Centro-Oeste e R$ 235 bilhões do Norte.

Em termos relativos, o Sudeste mantém a liderança com uma participação de 49%, idêntica a do ano passado, o mesmo ocorrendo com o Nordeste (19%) e o Centro-Oeste (8,4%). A participação da região Sul experimentou queda de 17,7% para 17,6%, enquanto a do Norte subiu de 5,9% para 6%.

Em termos monetários, o potencial de consumo do Sudeste deve se situar em volta de R$ 1,91 trilhão contra R$ 0,74 trilhão do Nordeste, R$ 0,68 trilhão do Sul. As menores participações correspondem às regiões Centro-Oeste (R$ 0,32 trilhão) e Norte (R$ 0,23 trilhão).

DISTRIBUIÇÃO DO POTENCIAL DE CONSUMO 2016/2014. EM R$ BILHÕES.

REGIÃO

TOTAL 2016 – EM R$

PART. (%) EM 2016

TOTAL 2015 – EM R$

PART. (%) EM 2015

TOTAL 2014 – EM R$

PART. (%) EM 2014

Norte

235,3

6,0

220,1

5,9

195,7

6,0

Nordeste

745,0

19,0

708,7

19,0

636,1

19,5

Sudeste

1.921,3

49,0

1.827,7

49,0

1.605,0

49,2

Sul

690,1

17,6

660,2

17,7

548.0

16,8

Centro-Oeste

329.3

8,4

313,3

8,4

277,2

8,5

Fonte: IPC Maps. (www.ipcbr.com). Elaboração Agência Prodetec

Interiorização em marcha

O consumo no Brasil se concentra hoje fora das capitais, embora ainda limitado a um pequeno número de cidades. Os 50 maiores municípios brasileiros serão responsáveis por 39,9% do consumo global do país ou R$ 1,55 trilhão (ante os 40% do ano passado). De acordo com Marcos Pazzini, diretor da IPC e responsável pela pesquisa, o fenômeno da interiorização do consumo já é uma realidade que percorre o Brasil, alcançando 70,3% de tudo que será consumido pelos brasileiros em 2016, cerca de R$ 2,7 trilhões em gastos, já considerando o atual cenário de retração econômica nacional.

No ano passado, o consumo fora das capitais chegou aos 70%, mas elas ainda representam uma grande fatia do bolo nacional do consumo, com mais de R$ 1,1 trilhão. Trata-se de uma reviravolta no mercado, pois não faz muito tempo, as capitais respondiam por mais de dois terços do consumo do brasileiro.

prodetec-consumo2

Segundo a IPC, mesmo somados os potenciais de capitais e municípios de sua área metropolitana, as cidades do interior as superam em valor de consumo. Os dados mostram que essa movimentação de recursos pelas cidades interioranas foi acompanhada da criação de novas empresas, fortalecendo a tendência do empreendedorismo no País. Para Marcos Pazzini, "este cenário pode contribuir para se traçar um novo horizonte de oportunidades competitivas para a economia, impulsionando o consumo de produtos e serviços".

Distribuição espacial

Os três estados responsáveis pelas maiores fatias da população e do PIB regional - Bahia, Pernambuco e Ceará também respondem pela maior parcela do consumo estimado para 2016.

A maior presença refere-se ao mercado baiano, sexto lugar do país, com participação de 5,39% do bolo nacional, o que corresponde a um potencial de consumo da ordem de R$ 209,45 bilhões.

Pernambuco aparece em seguida, com participação de 3,41% e R$ 132,60 bilhões, mantendo-se como o oitavo maior mercado consumidor do país.

O mercado cearense, por sua vez, responderia por 2,87% do potencial de consumo do país, com R$ 111,79 bilhões.

NORDESTE. CONSUMO POR ESTADO ENTRE 2015/2016. EM R$ BILHÕES. 

Estado

Total 2016

Part.(%) Brasil

Total 2015

Part.(%) Brasil

Maranhão (14)*

68,05

1,75

67,62

1,81

Piauí (21)*

38,26

0,98

36,74

0,98

Ceará (10)*

111,79

2,87

106,73

2,86

Rio G. do Norte (17)*

49.74

1,28

49,23

1,32

Paraíba (16)*

55,24

1,42

54,57

1,46

Pernambuco (8)*

132,60

3,41

125,10

3,35

Alagoas (20)*

42,86

1,10

37,72

1,01

Sergipe (22)*

31,79

0,81

30,61

0,82

Bahia (6)*

209,45

5,39

201,12

5,39

Fonte: IPC Marketing (www.ipcbr.com). Elaboração Agência Prodetec. 
 (*) Refere-se à participação no ranking nacional.

Os dez mais

Conforme o estudo da IPC, dentre os 50 maiores mercados consumidores brasileiros identificados pela pesquisa, apenas dez municípios estão localizados no Nordeste – as nove capitais e Jaboatão dos Guararapes, em Pernambuco.

Do ranking nacional dos de dez mais representativos, aparecem somente Salvador, quinto maior mercado consumidor do Brasil, e Fortaleza, oitavo lugar.

De todos eles, a maioria perdeu posição na lista dos 50 maiores enquanto Fortaleza e Salvador se mantiveram no mesmo lugar, embora tenham sofrido leves perdas no share de consumo: (0,10 pontos percentuais no caso da capital baiana e 0,03 p.p em relação a Fortaleza).

Com isso, o potencial de consumo de Salvador ficou em R$ 56,6 bilhões contra R$ 58,3 bilhões, em 2015. O de Fortaleza foi estimado em R$ 43,2 bilhões.

Outras cidades nordestinas também perderam participação no consumo nacional e no ranking dos 50 maiores mercados, na comparação com o ano passado.

A projeção para o mercado do Recife ficou em R$ 30,6 bilhões, caindo do 11º para o 12º lugar.

Vale salientar que, entre as capitais, somente Maceió e Aracaju ganharam posição no ranking nacional na comparação com 2015, com destaque para a capital alagoana que avançou do 26º para o 17º lugar, com consumo estimado em R$ 19,5 bilhões.

A capital maranhense retrocedeu do 16º para o 26º lugar e prevê consumo de R$ 16 bilhões este ano ante R$ 18,8 bilhões no ano anterior. No caso de Natal, o montante é um pouco maior (R$ 16,4 bilhões). Por sua vez, João Pessoa caiu do 24º para o 33º lugar, estimando-se o consumo total em R$ 14,1 bilhões.

Fora das capitais, registre-se o avanço registrado pelo município de Jaboatão dos Guararapes, localizado na região metropolitana do Recife. Segundo o estudo da IPC, Jaboatão ganhou dez posições, passando do 50º para o 40º lugar no ranking dos 50 maiores mercados nacionais.

Clique Aqui, e confira mais informações!

Voltar

 

A agência Prodetec é uma ferramenta voltada para divulgar artigos, estudos e pesquisas
sobre assuntos relacionados com o Nordeste

Imagine Comunicação Digital

Todos os direitos reservados. Reprodução do material permitida mediante citação da fonte.