Anuncie Aqui

CRISE JÁ AFETA EXPORTAÇÃO DE CALÇADOS DO NORDESTE EM 2015

Porto Alegre (Agência Prodetec) – De acordo com o último boletim da Abicalçados, a entidade que reúne os principais grupos do setor, as exportações de calçados do Nordeste entre janeiro e outubro sofreram queda de 18% na comparação com o mesmo período de 2013.

Na contagem da Abicalçados -- que abrange apenas os cinco maiores produtores regionais (CE, PB, BA, SE e PE) – as vendas externas do Nordeste, até outubro último, totalizaram US$ 315,9 milhões ante US$ 385,6 milhões no intervalo janeiro-outubro do ano passado.

A comercialização compreende os produtos classificados nos capítulos 6401/05 da NCM, a saber: calçado injetado de borracha ou plástico; calçado cabedal de borracha ou plástico (material sintético), inclui chinelos; calçado cabedal de couro natural; calçado cabedal de material têxtil; e outros calçados.

Queda cearense

Principal polo da indústria calçadista do Nordeste e segundo maior exportador brasileiro, o Ceará sentiu os efeitos da crise econômica. As vendas externas do estado experimentaram redução de 18,4% no acumulado deste ano, até outubro, totalizando US$ 197,6 milhões. No mesmo período de 2013, elas alcançaram US$ 242,3 milhões.

O movimento comercial cearense correspondeu ao embarque de 38 milhões de pares de calçados até outubro (43,6 milhões na mesma posição, em 2013), o que resultou num valor médio de US$ 5,20/par, um pouco abaixo do obtido em 2013 (US$ 5,55).

Em termos nacionais, o preço médio ficou em US$ 7,93 por par e o faturamento global, no acumulado do ano, somou US$ 766,1 milhões para embarques da ordem de 96,6 milhões de pares, números inferiores ao registrado no acumulado de 2013, até outubro, quando a receita externa do setor chegou aos US$ 874,1 milhões e a quantidade a 105 milhões de pares.

Liderança gaúcha

O Rio Grande do Sul continua como o principal exportador de calçados do país, com vendas de US$ 317,9 milhões, embora a quantidade (14,6 milhões) seja cerca de um quarto da embarcada pelo Ceará. Isso se explica pelo valor médio do calçado gaúcho vendido lá fora, média de US$ 21,72, mais de quatro vezes a média registrada pela indústria cearense.

O quarto maior exportador brasileiro, também no acumulado, foi a Paraíba com 20,7 milhões de pares que geraram US$ 72,9 milhões, queda de 18,2% ante o período janeiro-outubro de 2013, números bem inferiores aos de São Paulo, que aparece na terceira posição.

As exportações de calçados a cargo de Bahia, Sergipe e Pernambuco também experimentaram retração nos dez primeiros de 2014, seja na quantidade de pares, seja na geração de receita. Entre os baianos, a redução foi de 10,8% contra 30,6% em Sergipe e 32% em Pernambuco.

prodetec-exp-cal-polos-07-12

De acordo com a Abicalçados, os Estados Unidos (US$ 148,7 milhões) aparecem como o principal destino do calçado brasileiro, seguidos por Argentina (US$ 59,7 milhões), França (US$ 42,7 milhões), Bolívia (US$ 42 milhões) e Paraguai (US$ 38.4 milhões).

No outro lado da ponta, o setor calçadista somou importações no montante de US$ 443,6 milhões, baixa de 10,8% sobre o período janeiro-outubro de 2013. Vietnã, Indonésia e China seguem como os principais mercados de origem.

=.=.=.=
Postada em 20 nov.2015.

Voltar

 

NO NORDESTE, PREÇOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL POUCO VARIAM EM OUTUBRO

Agência Prodetec – Brasília – 01 dezembro 2017. O Índice Nacional da Construção Civil apurado pelo IBGE PI) em outubro apresentou...

PIB DO NORDESTE PERMANECE CONCENTRADO EM 4 ESTADOS

Agência Prodetec - Rio de Janeiro – 01 dezembro 2017. Dados das Contas Regionais relativas a 2015, divulgados pelo Instituto Brasileiro...

SALDO DE CRÉDITO DO NORDESTE CONTINUA A CAIR, EM OUTUBRO

Agência Prodetec – Brasília – 01 dezembro 2017. O saldo de empréstimos do sistema financeiro do Nordeste alcançou R$ 396 bilhões...

Estudos e Pesquisas

PIB DO NORDESTE CRESCE ENTRE 2002 E 2015, MAS PERMANECE DISTANTE DAS REGIÔES MAIS RICAS

Crescimento do PIB foi negativo em 2015 para todos os estados brasileiros, mas a participação do Nordeste no agregado nacional melhorou, de 13,9% para 14,2%, ainda muito longe da representatividade do Sudeste que responde por 54% do PIB do país. Agência Prodetec - Rio de Janeiro – 01 dezembro 2017. O estudo "Contas Regionais do Brasil 2002-2015" divulgado pelo IBGE mostra que...

ESTUDO MOSTRA CEARÁ E MARANHÃO COM A MELHOR SITUAÇÃO FISCAL DO PAÍS, EM 2016.

Uma análise realizada por pesquisadores cariocas indica que estados pobres como Ceará e Maranhão apresentam situação fiscal bem melhor que os chamados estados ricos, com desempenho superior em aspectos como dívida, despesa com pessoal, disponibilidade de caixa e investimentos. AGÊNCIA PRODETEC ΩΩ [ABRIL 2017] Rio de Janeiro – A situação fiscal da maioria dos estados do Nordeste é melhor que a apresentada...

Veja também

GOVERNO FEDERAL SE APROPRIA DE RECURSOS DO FNE PARA FINANCIAR BOLSAS DE ESTUDOS

A proposta para o próximo ano prevê aplicações no montante de R$ 23,9 bilhões e, além dos setores tradicionais, o...

EXPORTAÇÃO DE CAFÉ DO NORDESTE RECUOU EM 2017

Agência Prodetec - Rio de Janeiro – 01 dezembro 2017. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Comercio Exterior e Serviços...

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA (VBP) DO NORDESTE CHEGA A R$ 42,4 BILHÕES EM 2016

Brasília (Agência Prodetec) - De acordo com Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o Valor Bruto da Produção agropecuária...

A agência Prodetec é uma ferramenta voltada para divulgar artigos, estudos e pesquisas
sobre assuntos relacionados com o Nordeste

Imagine Comunicação Digital

Todos os direitos reservados. Reprodução do material permitida mediante citação da fonte.