Anuncie Aqui

ESTADOS DO NORDESTE PERDEM 139 MIL EMPREGOS FORMAIS EM 2016

Brasília (Agência Prodetec) – Os dados divulgados ontem (29) pelo CAGED revelam que em termos relativos o Nordeste apresentou o maior recuo no nível de emprego formal entre as grandes regiões brasileiras. A redução no acumulado do ano alcançou 2,11% contra -1,56% no Norte, -0,87% no Sudeste e taxas positivas de 0,31% e 0,23% no Sul e Centro-Oeste.

O Nordeste registrou a segunda maior perda de postos de trabalho entre janeiro e março, com 139 mil admissões a menos. O contingente de admitidos no período alcançou 506,2 mil ante 645,3 mil demissões. O maior recuo observou-se na região Sudeste (- 181,1 mil postos).

No caso do Sul e do Centro-Oeste o desempenho no acumulado do ano foi positivo, com contratações da ordem de 22,3 mil e 7,4 mil, respectivamente.

SALDO DE EMPREGO NORDESTE E REGIÕES– ACUMULADO ANUAL

REGIÕES /BRASIL

ADMISSÕES

DESLIGAMENTOS

SALDOS

VAR.%

Norte

159.155

187.906

-28.571

-1,56

Nordeste

506.245

645.301

-139.056

-2,11

Sudeste

2.030.529

2.211.591

-181.062

-0,97

Sul

880.099

857.781

22.318

0.31

Centro-Oeste

376.656

369.255

7.401

0,23

Fonte: MTE/Caged.

O recorte regional mostra que no acumulado anual, de janeiro a março, as maiores perdas de postos de trabalho no Nordeste ocorreram nos estados de Pernambuco, Alagoas e Ceará.

Nesse período, a diferença entre admissões e desligamentos foi altamente negativa: alcançou 40,6 mil postos em Pernambuco e 22,7 mil em Alagoas. Em seguida, aparecem Ceará, com -17,5 mil; Bahia, com -11,7 mil, e o Maranhão, com -11 mil empregos.

SALDO DE EMPREGO – ACUMULADO ANUAL2016, EM JAN./MAR2016

ESTADOS/NE/BRASIL

ADMISSÕES

DESLIGAMENTOS

SALDOS

VAR.%

MARANHAO

34.846

45.669

-11.043

-2,31

PIAUÍ

22.965

29.727

-6.762

2,25

CEARÁ

103.347

120.880

-17.533

-1,46

RIO GRANDE DO NORTE

34.236

44,220

-9.992

-2,26

PARAIBA

31.999

41.617

-10.218

-2,47

PERNAMBUCO

89.183

129.859

-40.676

-3,09

ALAGOAS

22.569

45.249

-22.680

-6,09

SERGIPE

21.010

29,436

-8.426

-2,75

BAHIA

146.690

158.416

-11.726

-0,67

NORDESTE

506.245

645.301

-139,056

-2,11

BRASIL

3.952.684

4.271.834

-319.150

-  0,80

Fonte: MTE/Caged.

Desempenho no mês

Na posição de março, o Sudeste também apresentou a maior retração (58 mil), seguido pela região Nordeste (perda de 46,2 mil empregos), saldo influenciado pelos segmentos da indústria de produtos alimentícios (-14,1 mil postos), agricultura (-8,4 mil) e comércio varejista (-8 mil).

Entre os estados nordestinos nenhum teve desempenho positivo, ou seja, elevaram o nível de emprego. As maiores reduções de emprego formal ocorreram em Pernambuco (-11,3 mil postos) e Alagoas (-9,9 mil postos).

SALDO DE EMPREGO – POSIÇAO EM MARÇO2016.

ESTADOS/NE/BRASIL

ADMISSÕES

DESLIGAMENTOS

SALDOS

VAR.%

PIAUI

7.581

 8.718

-1.137

-0,39

MARANHAO

 12.186

14.493

-2.307

-0,49

RIO GRANDE DO NORTE

 11.947

 14.330

 -2.383

 -0,55

PARAIBA

 10.449

 14.305

 -3.856

 -0,95

CEARA

 36.240

 40.941

 -4.701

 -0,40

BAHIA

50.588

55.391

 -4.803

-0,27

SERGIPE

7.263

13.090

-5.827

 -1,93

ALAGOAS

 6.734

16.606

 -9.872

-2,74

PERNAMBUCO

 30.361

41.744

 -11.383

 -0,88

NORDESTE

173.349

219.618

-46.269

-0,71

BRASIL

1.374.485

 1.493.261

-118.776

 -0,30

Fonte: MTE/Caged.

Salário médio em queda

Os dados do Caged mostram também que no primeiro trimestre de 2016, os salários médios reais do trabalhador brasileiro apresentaram queda real de 2,5%, na comparação com o mesmo trimestre de 2015. De R$ 1.374,84, em 2015, o salário recuou para R$ 1.340,45 nesse mês de março.

Conforme a pesquisa, o salário médio de admissão teve redução em todas as regiões brasileiras, variando de -2,05% no Sul a -3,47% na região Norte. No Nordeste, sofreu recuo de 2,82% ante 2,61% no Sudeste e 2,22% no Centro-Oeste.

O maior salário médio foi apurado no Sudeste (R$ 1.442.21), seguindo-se R$ 1.289,64 no Sul, R$ 1.251,15 no Centro-Oeste, R$ 1.182,52 no Norte e R$ 1.132,19 no Nordeste.

SITUAÇÃO DO SALÁRIO MÉDIO NO TRIMESTRE 2016 – 2015.

Estados/NE/Brasil

MÉDIA JAN.MAR2016

MÉDIA JAN.MAR2015

Var.%

MARANHÃO

1.172,94

1.219,46

-3,81

PIAUÍ

1.062.36

1.081,03

-1,73

CEARÁ

1.095,82

1.156,91

-5,28

RIO GRANDE DO NORTE

1.037,48

1.070,12

-3,05

PARAIBA

1.017,47

1.085,42

-6,26

PERNAMBUCO

1.194,97

1.196,91

-0,16

ALAGOAS

1.070,14

1.085,95

-1,46

SERGIPE

1.075,06

1.100,14

-2,28

BAHIA

1.187,07

1.213,39

-2,17

NORDESTE

1.132,19

1.165,09

-2,82

BRASIL

1.340,45

1.374.84

-2,50

Fonte: MTE/Caged.

Postada em 30 Abril 2016.

 

Voltar

 

NO NORDESTE, PREÇOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL POUCO VARIAM EM OUTUBRO

Agência Prodetec – Brasília – 01 dezembro 2017. O Índice Nacional da Construção Civil apurado pelo IBGE PI) em outubro apresentou...

PIB DO NORDESTE PERMANECE CONCENTRADO EM 4 ESTADOS

Agência Prodetec - Rio de Janeiro – 01 dezembro 2017. Dados das Contas Regionais relativas a 2015, divulgados pelo Instituto Brasileiro...

SALDO DE CRÉDITO DO NORDESTE CONTINUA A CAIR, EM OUTUBRO

Agência Prodetec – Brasília – 01 dezembro 2017. O saldo de empréstimos do sistema financeiro do Nordeste alcançou R$ 396 bilhões...

Estudos e Pesquisas

PIB DO NORDESTE CRESCE ENTRE 2002 E 2015, MAS PERMANECE DISTANTE DAS REGIÔES MAIS RICAS

Crescimento do PIB foi negativo em 2015 para todos os estados brasileiros, mas a participação do Nordeste no agregado nacional melhorou, de 13,9% para 14,2%, ainda muito longe da representatividade do Sudeste que responde por 54% do PIB do país. Agência Prodetec - Rio de Janeiro – 01 dezembro 2017. O estudo "Contas Regionais do Brasil 2002-2015" divulgado pelo IBGE mostra que...

ESTUDO MOSTRA CEARÁ E MARANHÃO COM A MELHOR SITUAÇÃO FISCAL DO PAÍS, EM 2016.

Uma análise realizada por pesquisadores cariocas indica que estados pobres como Ceará e Maranhão apresentam situação fiscal bem melhor que os chamados estados ricos, com desempenho superior em aspectos como dívida, despesa com pessoal, disponibilidade de caixa e investimentos. AGÊNCIA PRODETEC ΩΩ [ABRIL 2017] Rio de Janeiro – A situação fiscal da maioria dos estados do Nordeste é melhor que a apresentada...

Veja também

GOVERNO FEDERAL SE APROPRIA DE RECURSOS DO FNE PARA FINANCIAR BOLSAS DE ESTUDOS

A proposta para o próximo ano prevê aplicações no montante de R$ 23,9 bilhões e, além dos setores tradicionais, o...

EXPORTAÇÃO DE CAFÉ DO NORDESTE RECUOU EM 2017

Agência Prodetec - Rio de Janeiro – 01 dezembro 2017. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Comercio Exterior e Serviços...

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA (VBP) DO NORDESTE CHEGA A R$ 42,4 BILHÕES EM 2016

Brasília (Agência Prodetec) - De acordo com Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o Valor Bruto da Produção agropecuária...

A agência Prodetec é uma ferramenta voltada para divulgar artigos, estudos e pesquisas
sobre assuntos relacionados com o Nordeste

Imagine Comunicação Digital

Todos os direitos reservados. Reprodução do material permitida mediante citação da fonte.