Anuncie Aqui

NORDESTE IMÓVEIS. PREÇOS NÃO ACOMPANHAM INFLAÇÃO NO SEMESTRE

São Paulo (Agência Prodetec) – As dificuldades enfrentadas pela economia brasileira nos últimos meses continuam a afetar o mercado imobiliário do Nordeste. Os dados sobre os negócios do setor nas três principais cidades da região, ao longo do primeiro semestre, mostram que o mercado está instável, com variações aquém dos índices inflacionários do período.

Muitos fatores contribuem para esse panorama, dentre outros: decremento do Produto Interno Bruto (PIB), queda acentuada do emprego, menor volume de empréstimos para habitação e maior inadimplência entre os tomadores de crédito.

No recorte semestral, tanto no Recife quanto em Fortaleza o mercado caiu; de forma mais acentuada na capital pernambucana.

Considerada a variação mensal, o preço do metro quadrado diminuiu em Salvador, de 0,61% em maio para 0,47% em junho. No Recife, cravou - 0,22% no último mês ante -0,08% em maio, enquanto em Fortaleza o quadro foi de recuperação com variação positiva de 0,8% em junho ante -0,07% em maio.

De acordo com o índice FipeZap, no período de 12 meses o comportamento dos preços no Recife foi de retração (-1,58%), enquanto Salvador e Fortaleza ainda mostram evolução positiva de 1,17% e 2,33%, respectivamente, índices muito distantes da inflação estimada para o mesmo período pelo IBGE (8,88%, IPCA).

Acumulado semestral

No acumulado do primeiro semestre deste ano a variação foi de 0,55% em Salvador, -0,08% em Fortaleza e -1,33% no Recife ante a média de 0,03% nas 20 cidades pesquisadas e 4,45% no IPCA.
No mês de junho, a cidade do Recife registrou o preço médio mais alto para o metro quadrado (R$ 6.005,00) na comparação com Fortaleza (R$ 5.911,00) e Salvador (R$ 4.748,00).
Em escala nacional, em junho, o valor médio do metro quadrado anunciado das 20 cidades foi de R$ 7.635,00, com o Rio de Janeiro se mantendo como o mercado do metro quadrado mais elevado (R$ 10.251,00), seguido pelo de São Paulo (R$ 8.630,00).

O índice FipeZap é calculado com base no acompanhamento do preço médio do M2 de apartamentos prontos em 20 municípios brasileiros: Rio, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Salvador, Fortaleza, Recife, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Vitória, Vila Velha, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul ,Niterói, Campinas, Santos, Goiânia e Contagem.

VARIAÇÃO MENSAL E ANUAL DO ÍNDICE FIPEZAP REGIONAL E MÉDIA NACIONAL. JUNHO.16

Região

Variação Junho

Variação Maio

Variação Jan.-junho.16

Variação em 12 meses

 Indice IPCA (IBGE)*

  0,38%

0,78%

4,45%                   

8,88%

Ampliado (20 cidades)

0,00%                                           

0,07%

0,03%

-0,02%

São Paulo

-0,04%

     0,12%

          0,28%   

  0,58%

Rio de Janeiro

-0,30

 -0,56%

-1,71%

-3,61

Belo Horizonte

0,40%

 0,26% 

 1,43%

 0,12%

Distrito Federal

-0,10%

0,14%

-0,22%

-0,74%

Salvador

0,47%

 0,61%

 0,55%

1,17%

Fortaleza

0,80%

 -0,07%

-0,08%

2,33%

Recife

-0,22%

-0,08%

-1,33%

-1,58%

 Porto Alegre

-0,02%

0,66%

1,27%

 2,08%

 Curitiba

 0,28%

  0,82%

 2,22%

  2,72%

Florianópolis

-0,09%

-0,03%

 2,61%

  4,27%

Vitória

0,53%

1,32%

2,67%

 7,07%

 Vila Velha

0,08%

 0,03%

 1,29%

4,04%

 Santo André

 0,19%

0,23%

 2,17%

4,38%

 São Bernardo do Campo

0,06%

0,05%

0,37%

1,32%

São Caetano do Sul  

0,00%

0,04%

0,86

3,17%

 Niterói

 -0,07%

0,02%

-1,66%

 -2,37%

Campinas  

0,05%

 0,27%

0,73%

 1,98%

Santos

0,25%

0,23%

-0,65%

1,08%

Goiânia

-0,78%

-0,38%

0,06%

 1,38%

Contagem

1,48%

 0,24%

1,81%

1,70%

Fonte: FIPEZap. * Considera as projeções do Boletim Focus/Banco Central mais recentes.

Postada em 3 jul 2016.

Voltar

 

NO NORDESTE, PREÇOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL POUCO VARIAM EM OUTUBRO

Agência Prodetec – Brasília – 01 dezembro 2017. O Índice Nacional da Construção Civil apurado pelo IBGE PI) em outubro apresentou...

PIB DO NORDESTE PERMANECE CONCENTRADO EM 4 ESTADOS

Agência Prodetec - Rio de Janeiro – 01 dezembro 2017. Dados das Contas Regionais relativas a 2015, divulgados pelo Instituto Brasileiro...

SALDO DE CRÉDITO DO NORDESTE CONTINUA A CAIR, EM OUTUBRO

Agência Prodetec – Brasília – 01 dezembro 2017. O saldo de empréstimos do sistema financeiro do Nordeste alcançou R$ 396 bilhões...

Estudos e Pesquisas

PIB DO NORDESTE CRESCE ENTRE 2002 E 2015, MAS PERMANECE DISTANTE DAS REGIÔES MAIS RICAS

Crescimento do PIB foi negativo em 2015 para todos os estados brasileiros, mas a participação do Nordeste no agregado nacional melhorou, de 13,9% para 14,2%, ainda muito longe da representatividade do Sudeste que responde por 54% do PIB do país. Agência Prodetec - Rio de Janeiro – 01 dezembro 2017. O estudo "Contas Regionais do Brasil 2002-2015" divulgado pelo IBGE mostra que...

ESTUDO MOSTRA CEARÁ E MARANHÃO COM A MELHOR SITUAÇÃO FISCAL DO PAÍS, EM 2016.

Uma análise realizada por pesquisadores cariocas indica que estados pobres como Ceará e Maranhão apresentam situação fiscal bem melhor que os chamados estados ricos, com desempenho superior em aspectos como dívida, despesa com pessoal, disponibilidade de caixa e investimentos. AGÊNCIA PRODETEC ΩΩ [ABRIL 2017] Rio de Janeiro – A situação fiscal da maioria dos estados do Nordeste é melhor que a apresentada...

Veja também

GOVERNO FEDERAL SE APROPRIA DE RECURSOS DO FNE PARA FINANCIAR BOLSAS DE ESTUDOS

A proposta para o próximo ano prevê aplicações no montante de R$ 23,9 bilhões e, além dos setores tradicionais, o...

EXPORTAÇÃO DE CAFÉ DO NORDESTE RECUOU EM 2017

Agência Prodetec - Rio de Janeiro – 01 dezembro 2017. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Comercio Exterior e Serviços...

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA (VBP) DO NORDESTE CHEGA A R$ 42,4 BILHÕES EM 2016

Brasília (Agência Prodetec) - De acordo com Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o Valor Bruto da Produção agropecuária...

A agência Prodetec é uma ferramenta voltada para divulgar artigos, estudos e pesquisas
sobre assuntos relacionados com o Nordeste

Imagine Comunicação Digital

Todos os direitos reservados. Reprodução do material permitida mediante citação da fonte.