Anuncie Aqui

BALANÇA COMERCIAL. NORDESTE CONTINUA IMPORTANDO MAIS DO QUE EXPORTA

Brasília, 10 Maio 2015 (Conjuntura) – As exportações do Nordeste atingiram US$ 4.098 milhões no primeiro quadrimestre de 2015, o equivalente a 7,9% do total nacional. O decréscimo foi de 9,9% sobre o mesmo período do ano passado quando as vendas somaram US$ 4.552,5 milhoes.

Nesse primeiro quadrimestre, as importações experimentaram 1,2% de aumento, somando US$ 9.098 milhoes ante US$ 8.985 milhões em igual intervalo do ano passado.

No acumulado do ano, até abril último, o déficit da balança comercial do Nordeste totalizava US$ 4.999,9 milhoes contra US$ 4.432,3 milhoes entre janeiro e abril de 2014.

Queda quase generalizada

De acordo com os dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), sete dos nove estados nordestinos (Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Alaoas, Sergipe e Bahia) tiveram queda nos valores exportados. Por sua vez, Maranhao e Piaui ampliaram suas vendas em 39,5% e 40,5%, respectivamente.

Os estados da Bahiua e do Maranhao continuam com as maiores parcelas das exportações regionais, totalizando US$ 2.262 milhoes e US$ 896,5 milhoes, respectivamente. O detalhe é que as vendas maranhenses subiram na comparação com o quadrimestre do ano passado enquanto as da Bahia murcharam (-18%).

Destino

China aparece como principal destino das exportações nordestinas, com quase um quinto do total ou US$ 781 milhoes, seguido por Estados Unidos, com US$ 518,5 mikhoes e Argentina, US$ 379,4 milhoes.

As vendas para o país asiático aumentaram 42,4% na comparação com o primeiro quadrimestre de 2014. No caso de EUA e Argentina houve queda no mesmo período, de 20,1% e 10,4%, respectivamente. Outros parceiros vigorosos durante o quadrimestre foram Holanda, com vendas de US$ 290 milhoes), Canadá (US$ 171, milhões), Itália (US$ 119,.5 milhoes), Alemanha US$ 116,. Milhões), França (US$ 115,6 milkhoes ) , Russia (US$ 106,7 milhoes) e Espanha ( US%$ 100,4 milhioes).

O comportamento das exportações nordestinas para os cinco parceiros principais do Nordeste, no quadrimestre, pode ser visualizado abaixo, com valores FOB (US$ 1,00).

Produtos mais vendidos

Os capítulos de produtos associados à área de papel e celulose lideraram as exportações do Nordeste entre janeiro e abril último, somando US$690,2 milhões. A aluminda calcinda garantiu US$ 369,2 milhoes, e o complexo soja, US$ 371,2 milhoes.

O açúcar foi o quarto item mais exportado pelo Nordeste, garantindo US$ 229 milhoes, seguido pelos grupos 'cobre (US$ 139,5 milhoes), automóveis (US$ 136,2 milh~ioes), óleo (fuel-oil) e alagodão (US$ 92,3 milhoes).

PRODUTO/CAPÍTULO EXPORTADO (*)                          VALOR JAN./ABR 2015        VALOR JAN./AB.14        VAR.%  

Pasta química madeira de n/conif.a soda/sulfato,semi/branq

           594.505.436

           451.820.512

31,58

Alumina calcinada

           369.197.604

           289.208.586

27,66

Soja, mesmo triturada, exceto para semeadura

           278.166.358

           282.719.149

-1,61

Outros açúcares de cana

           228.908.467

           262.363.532

-12,75

Catodos de cobre refinado/seus elementos, em forma bruta

           139.623.581

              89.665.129

55,72

Automóveis c/motor explosao,1500<cm3<=3000,ate 6 passageiros

           136.268.438

           147.811.715

-7,81

"Fuel-oil"

           124.107.764

           534.560.248

-76,78

Pasta quimica de madeira,para dissolucão

              95.755.392

           103.632.812

-7,60

Bagaços e outs.resíduos sólidos,da extr.do  óleo de soja

              93.090.733

              70.919.967

31,26

Algodão simplesmente debulhado,não cardado nem penteado

            

               92.319.651

              52.871.176

 

 74,61

Fonte: MDIC. (*) Valor FOB em US$ 1,00.

Voltar

 

A agência Prodetec é uma ferramenta voltada para divulgar artigos, estudos e pesquisas
sobre assuntos relacionados com o Nordeste

Imagine Comunicação Digital

Todos os direitos reservados. Reprodução do material permitida mediante citação da fonte.